WALLS, Jeannette. O Castelo de Vidro. Nova Fronteira. 367p.

Em O Castelo de Vidro, Jeannette Walls conta a sua história. Uma autobiografia que emociona, e acerta na medida entre a leveza e solidez. Escrito de uma forma encantadora, e sem amargura ou compaixão, conhecemos Jeannette e a família Walls.

Rex é o pai da família, uma pessoa inteligente e imaginativa que compreendia seus filhos e os ensinava a enfrentar os obstáculos, ou pulá-los. Dizia-se ser empreendedor, mas na verdade, era um pai ausente e que, quando arranjava um “bico”, gastava o dinheiro com o álcool. Por isso, a família ficava em um constante movimento. Rex nunca permanecia em um emprego, então eles se mudavam de cidade para cidade. As crianças estudavam em casa ou, quando permaneciam mais tempo em uma cidade, tentavam ingressar em um colégio sem possuírem um histórico escolar.

Rose Mary achava tudo uma grande aventura. É definida como uma mãe egocêntrica, que não se preocupava muito com o fato de não terem comida. Uma escritora e artista que ansiava pela fama, e por isso, apesar de ser professora, não costumava lecionar.

Jeannette, suas duas irmãs e o irmão, tinham de sobreviver catando comida de lixos e usando roupas rasgadas e furadas. Tomando banho uma vez na semana, ou menos, e, por vezes, comendo somente margarina com açúcar. Crianças resistentes que aprenderam desde cedo que precisamos lutar para sobreviver.

- Escolhe a tua estrela favorita – disse ele naquela noite. 
Ele disse que eu podia ficar com ela pra mim. 
Ele disse que era o meu presente de Natal. 


O livro é todo o defeito e toda a qualidade também, uma antítese. Leitura comovente, triste, alegre, inexplicável e sem grandes erros ortográficos.


Jeannette, por muito tempo, teve vergonha de contar sua origem, mas quando o fez, contou ao mundo inteiro que era a filha da pobreza. O temperamento bipolar da mãe e o alcoolismo do pai, que afetavam os filhos, os impulsaram a prosperar. Não é um conto de fadas, mas cita os males de uma forma que somente uma vencedora poderia descrever.

A autobiografia reforça que nunca devemos parar de sonhar, mas que é necessário persistir para alcançar os objetivos. Um clichê, contado da forma mais suave e cruel que somente a realidade poderia oferecer.

Nota: ♥♥♥♥♥


12 Comentários

  1. Oi Alana!
    O livro parece ser bom, mas não é meu tipo favorito de leitura. Mas não deixa de ser bom, né?
    Beijinhos!


    Camila.

    loucuradelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Alana.
    O livro parece ser bem lindo, me emociono fácil com biografias e autobiografias (:
    Que bom que você gostou da história (:
    Beijos.
    http://edicaoliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Preto no Branco10/10/2012 22:27

    Oii (:
    Não conhecia esse livro ou a história dele. Não sou do tipo que curte biografias sabe? Na verdade tenho até um certo preconceito, rs, mas ultimamente li uma que me encantou e eu realmente me apaixonei pela forma como você escreveu essa resenha. :)
    A antítese que você descreveu, o amar e o odiar, o erro e o acerto, são coisas que me atraem, rs. Provavelmente darei uma chance ao livro.
    Ps¹: Adorei o quote selecionado.
    Ps²: Amo Dexter e OUAT s2

    ResponderExcluir
  4. Garota do Livro10/10/2012 22:27

    Adorei sua resenha! Nunca li ele, mas fiquei com vontade!
    Um beijo,
    http://livrodagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. FlaviaPenido10/10/2012 22:27

    Ai meu Deus.. Não conhecia esse livro. Só de imaginar essas histórias cheias de coisas agonizantes e tristes já me dá um nó na goela rsrsrs
    Adoro qdo o livro tem personagens que tem essas personalidades fortes e são bem descritos, principalmente por ser biografia. A gente lê e sabe que é uma coisa que aconteceu, que realmente fez parte da vida de alguém e não é só uma coisa inventada que logo esquecemos...
    Parabens pela resenha! Adorei e fiquei curiosa pra ler esse livro.

    Bjokas

    ResponderExcluir
  6. Uau, que história. Não conhecia esse livro, mas fiquei curiosa para saber mais; parece ser bem emocionante.
    Amei sua resenha.
    Beijinhos ^^
    Isabelle - http://attraverso-le-pagine.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Segredos em Livros10/10/2012 22:28

    Oi Alana, tudo bem? Relamnete não conhecia esse livro, mas fiquei muito curiosa para ler. Adorei a sua resenha. E o post está perfeito. Bjs
    http://segredosemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Fiquei curiosissssssima para ler o livro.... Ótimo post :D
    http://estoulendoo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oii! Também gosto bastante destas séries, e tô quase surtando pra que chegue o dia 30, quando a sétima temporada de Dexter vai começar, hehe.
    Eu sempre adorei biografias, até mais do que livros "normais". Elas são um exemplo de superação, geralmente e eu aprendo muito com as mesmas.
    Espero que você dê uma chance para o livro, ele realmente é uma grande antítese. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Kezia_gm@hotmail.com10/10/2012 22:50

    Oi Alana.
    Adorei sua resenha.
    Eu estou querendo ler esse livro. É bem meu tipo de leitura, triste, comovente, real.
    Já está na minha listinha de leitura.
    Beijinhos
    http://fulanaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Foi spi eu que comecei a perceber que varios livros tem no titulo 'vidro'? (risos)

    ResponderExcluir
  12. Letícia Cavalcante07/01/2013 21:16

    Livro fantástico, eu AMEI, é contado de uma forma que deixa até a mais triste das privações "cômicas", um livro cheio de surpresas e sonhos de crianças - tanto as novas, quanto as mais vividas.

    ResponderExcluir